Elas chegaram para ajudar ou são apenas mais um produto tecnológico?

As assistentes virtuais viraram sensação entre os anos de 2019 e 2020, com funções que antes só tinham sido vistas em filmes. Há alguns anos, em 2011, a Siri (assistente virtual da Apple) deu o que falar no lançamento do Iphone 4s, quando pela primeira vez que o grande público teve acesso a essa tecnologia. Porém, bem antes disso, foi nos anos 60 que o primeiro software capaz de interagir com os humanos foi desenvolvido.

As primeiras assistentes projetadas reconheciam poucas palavras e realizavam apenas operações matemáticas. Com o passar dos anos elas foram evoluindo e na década de 70 chegavam a reconhecer quase mil palavras. Já em 1993, alguns modelos já usavam reconhecimento de fala, enquanto nos anos 2000 o Google lançou o “Google Voice Search” (Pesquisador de Voz Google), usado para fazer buscas na internet através do comando de voz. A partir daí começaram a ser lançados os modelos que nós estamos habituados atualmente como,  Siri (2011),  Alexa da Amazon (2014) e Google Assistente (2016).

Como elas funcionam e quais são suas principais funções?

O funcionamento das assistentes tem como principal base a Inteligência Artificial, o que torna a tecnologia mais próxima da sensação de contato humano – por meio de comando de voz ou texto, as assistentes executam a ação desejada. As versões mais comuns executam ações simples nos celulares como, fazer uma busca na internet, enviar uma mensagem ou ligar para alguém. Já os aparelhos mais modernos têm chegado ao mercado como um produto próprio, ou seja, você compra um equipamento a parte.

As assistentes estão cada vez mais adaptadas a funções básicas, como, através de comando, selecionar músicas para reprodução, responder a questionamentos, além da interação com outros equipamentos domésticos. Elas são capazes de ligar e desligar as luzes, ligar e manusear equipamentos eletrônicos como Smart TVs, computadores, micro-ondas, lava-louças, dentre outros, apenas com alguns simples comandos de voz.

Na prática, elas realmente ajudam?

Desde que as assistentes virtuais começaram a se popularizar, o principal questionamento sempre foi: elas realmente ajudam ou são apenas mais um produto que dizem ser revolucionário?

A resposta é: Sim! Elas ajudam e simplificam a vida do usuário a partir da substituição e assistência a diversas necessidades vividas por eles, principalmente ao   otimizar tarefas domésticas. Porém, para que sua utilização como potencial central de controle seja realmente efetiva, é necessário adquirir diversos outros eletrodomésticos inteligentes. Um aparelho como o da Alexa, apenas consegue desempenhar todas as funções que ela é capaz se os equipamentos ao seu entorno estiverem compatíveis com a sua tecnologia, que o que na maioria dos casos não acontece.