Presente em cidades de diversos países do mundo como Estados Unidos, Coreia do Sul, Arábia Saudita e Alemanha, a tecnologia 5G ainda não possui previsão exata para entrar em funcionamento no Brasil e algumas questões ainda não se encontram encaminhadas para sua plena utilização. 

A nova frequência promete ser 100 vezes mais rápida do que o 4G. A partir dela, a experiência de videochamadas, jogos online e transmissões ao vivo teriam uma melhora exponencial, com tempo de resposta ágil e conexão estável e extremamente rápida.

A diminuição do delay nas conversas a distância, o aumento de dispositivos conectados sem comprometer a rede, avanços em tecnologia totalmente digitais, como carros autônomos e telemedicina e no processamento de dados na nuvem – retirando grande parte das tarefas de processamento feitas atualmente pelo chip, são alguns pontos em que o 5G influencia diretamente. 

A título de comparação à capacidade de velocidade que é prometida, a média de velocidade do 4G é de 18,8 Mbps (Megabits por segundo), enquanto as operadoras prometem velocidade de até 500Mbps com a nova frequência.

Pode-se dizer que existem duas versões do 5G: o “puro” e o DSS, este que já é utilizado em fase de teste em algumas regiões do país. O 5G DSS é compartilhado a partir da mesma rede do 4G, assim todos os dispositivos que tem compatibilidade com a nova frequência já tem acesso a ela, porém mesmo oferecendo uma velocidade maior, ainda não consegue entregar o potencial máximo que o 5G pode oferecer.

Para a liberação do 5G “puro” é necessário o avanço do leilão organizado pela Anatel, pois nele será feito a disputa do direito de operação das bandas de frequências nos municípios brasileiros.  A rede de 5G tem menor alcance do que a 4G, dessa forma necessita de uma quantidade maior de antenas instaladas para seu funcionamento, assim os municípios necessitam de uma estrutura específica instalada para a performance plena da nova tecnologia.

As operadoras vencedoras irão investir na expansão da infraestrutura de rede de cada faixa de operacionalização, como na instalação de fibras ópticas e estações rádio base e antenas. Inicialmente essa implantação será feita nas capitais, posteriormente nas cidades com maior número de habitantes e assim por diante. 

De acordo com o Ministro das Comunicações brasileiro, Fábio Faria, o país terá 20 pontos de 5G ainda neste ano e a nova frequência estará disponível em todas as capitais até julho de 2022.