O WhatsApp voltou atrás na decisão sobre os usuários que não concordam com as novas politicas de privacidade. Após decisão de passar a limitar o acesso de usuários que não aceitassem as novas normas do aplicativo, agora, mesmo o usuário não concordando, não terá as funções limitadas no app.

A mudança de plano foi anunciada em comunicado lançado no último dia 31, no qual a empresa afirma que não irá mais limitar as funções do aplicativo para os usuários que ainda não aceitaram a sua nova politica de privacidade. Ainda assim, de acordo com eles, mais da metade dos usuários do aplicativo já aceitaram a atualização dos termos.

A nova política de privacidade deveria ter tido inicio no último dia 15, porém, após movimentação de alguns países e organizações, a mudança foi adiada. Nela, os usuários que não concordassem com os novos termos teriam suas funções de uso reduzidas. Seria possível apenas a resposta de notificações e chamadas de voz e video. O acesso ao chat, por exemplo, seria bloqueado. Além da presença de constantes lembretes do aplicativo para o aceite da atualização, essa, mesmo com as novas mudanças, ainda vai estar presente como forma de convencer o usuário a concordar com os novos termos.

Ao aceitar a nova política, os usuários teriam que autorizar o compartilhamento de algumas informações pessoais com o Facebook (empresa a quem o WhatsApp pertence), exigência essa que trouxe ao ar muitas discussões que envolvem a segurança de dados pessoais e gerou sentimento de desconfiança e criticas da parte dos usuários – o que acarretou no aumento de demanda por outros aplicativos com funções semelhantes para uma possível migração, como o Signal e Telegram. A comoção feita pelos usuários, junto a  movimentação de diversos países, como o Brasil, ajudou da mudança de planos feita pelo aplicativo.